Atualidade

Qatar: religião ou economia?

Qatar: religião ou economia?

Qatar: religião ou economia?

A Arábia Saudita, o Bahrein, o Egito e os Emirados Árabes Unidos anunciaram recentemente o corte de relações diplomáticas com o Qatar. Segundo os mesmos, o corte de relações teve como fundamento principal o pretenso apoio do Qatar aos jiadistas, nomeadamente os do autoproclamado Estado Islâmico (Daesh).

Nos últimos dias a crise diplomática intensificou-se com um ultimato a Doha, por parte dos vizinhos árabes do Golfo, com uma lista com 13 exigências. Do ultimato constam, nomeadamente, a exigência de encerramento da televisão al-Jazeera, bem como de uma base militar da Turquia, e a redução das ligações diplomáticas com o Irão. A resposta do Qatar, pela voz do seu ministro dos negócios estrangeiros, foi no sentido da rejeição total do ultimato. Do ponto de vista de Doha, trata-se de uma violação da soberania do país, e por isso “inaceitável”.

Vejamos agora a questão do Golfo por outro prisma. O Qatar é um dos maiores produtores mundiais de gás natural. Recentemente anunciou o aumento da produção na ordem dos 30%, tornando-se desta forma no maior exportador mundial de GNL (Gás Natural Liquefeito). Nas próximas décadas o GNL parece ser uma alternativa muito válida (quiçá a principal) ao petróleo. Se esta tendência se confirmar, significa que assistiremos nos próximos anos à queda do preço do petróleo em detrimento do gás natural.

Sabemos bem a importância do petróleo para nações como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos. Ora, são justamente estes países que estão na linha da frente contra o Qatar, na mais recente crise do Golfo. Neste “jogo” tático, a posição das grandes companhias petrolíferas (ExxonMobil, Shell, Total, etc.) parece relativamente ambígua. Embora existam pressões por parte da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos, aquelas empresas têm interesses muito relevantes no Qatar, posicionando-se estrategicamente na produção de GNL, tendo em conta a crescente relevância deste no mercado energético mundial.

Aqui chegados, temos o seguinte. Por um lado, um ultimato de base política e religiosa, já que se baseia num presumível apoio do Qatar ao Daesh. Por outro, um complexo jogo tático que envolve o controlo das principais fontes energéticas mundiais.

Tendo em conta o que referi atrás, e se juntarmos tantos outros dados à equação (por exemplo, o atual enorme défice orçamental da Arábia Saudita), sou levado a concluir que, mais uma vez na História da Humanidade, a religião é o pretexto ideal para justificar um conflito que não terá outro objetivo senão a conquista de poder económico. Os séculos vão passando, mas o fundamental não muda. Infelizmente para todos nós.

 

Até breve!

Marco Libório

CEO da UWU Solutions / Consultor / Docente 

blog@marcoliborio.me

 

Standard

One thought on “Qatar: religião ou economia?

  1. JMCSS says:

    Bom dia Caro Marco
    Concordo em absoluto. Quem estava a liderar o negócio antes eraTotal que conseguiu promover o acordo entre o Catar e o Irão. Aramco e Exxon em especial querem uma parte do bolo. O Golfo também é deles.

Deixar uma resposta