Economia, Empreendedorismo, Fiscalidade

Indicadores de liquidez – Sabe como os especialistas analisam a sua empresa?

Indicadores de liquidez – Sabe como os especialistas analisam a sua empresa?

Indicadores de liquidez – Sabe como os especialistas analisam a sua empresa?

Quando envia um Balancete ou um Balanço da sua empresa para uma entidade financeira, sabe que indicadores vão ser analisados?

A tesouraria é hoje um dos pontos mais sensíveis na gestão financeira de qualquer empresa. Tendo isto em conta, a gestão da tesouraria e a capacidade em gerar dinheiro com o ciclo operacional é um dos aspetos mais relevantes aquando da análise de risco de uma empresa.

Os indicadores relacionados com a liquidez têm como principal objetivo medir a capacidade da empresa em cumprir com os seus compromissos de ordem financeira de curto prazo, como é o caso dos vencimentos, custos com energia, informática, matérias-primas, entre outros.

Nos principais indicadores que permitem avaliar a “saúde” da sua empresa, em termos de liquidez, incluem-se: Liquidez Geral; Liquidez Imediata; Prazo médio de recebimento; Prazo médio de pagamento.

A Liquidez Geral (Ativo Corrente/Passivo Corrente) diz-nos qual é a capacidade da empresa em resolver os seus compromissos de curto prazo. Em termos práticos, se o valor deste rácio é maior do que 1, então a empresa apresenta uma situação financeira de curto prazo muito favorável. Ainda assim, é importante conjugar este rácio com os tempos médios de pagamento e de recebimento.

A Liquidez Imediata ((Ativo Corrente – Inventários)/Passivo Corrente) é uma medida mais próxima da liquidez efetiva da empresa, porque elucida a capacidade dos seus ativos de maior liquidez para assegurarem a cobertura do passivo corrente ou exigível de curto prazo. Os ativos com maior grau de liquidez incluem, genericamente, as dívidas de Clientes e o dinheiro em Caixa e/ou em contas bancárias. Um rácio inferior a 1 indicia que a empresa está muito dependente das existências e das vendas futuras para assegurar o pagamento das suas dívidas correntes. Um rácio de valor superior a 1 indica um elevado grau de segurança financeira.

O Prazo médio de recebimento (Clientes/(Vendas + Prestação de Serviços) x (1+IVA)) x 365 dias) é importante para a atividade da empresa, porque mostra aos gestores qual é o tempo, em dias, que os clientes demoram a pagar as suas obrigações para com a empresa. Quanto menor for esse rácio, mais depressa a empresa recebe os pagamentos dos clientes. Na generalidade dos casos, quanto maior for o prazo médio de cobrança de uma empresa, maior é a probabilidade de vir a ter de enfrentar situações de crédito em risco de cobrança. Uma regra de referência, neste caso, sugere que o prazo médio de recebimentos de uma empresa nunca deve ser superior em mais de 1/3 ao fixado nas suas condições de crédito contratuais. Na mesma ótica de análise, um rácio muito baixo pode indicar uma perda em vendas, por políticas de crédito demasiado restritivas.

Finalmente, o Prazo médio de pagamento ((Fornecedores/(Compras + FSE) x (1+IVA)) x 365 dias) é determinante para a empresa saber o tempo que demora a pagar aos seus fornecedores. Em termos práticos, o melhor para empresa é ter prazos de pagamento superiores aos de recebimento, para conseguir aumentar as suas disponibilidades. No entanto, o prazo de pagamento nunca poderá ser bastante superior ao de recebimento. Embora seja louvável que o empresário consiga uma gestão de tesouraria em que mantenha o dinheiro do seu lado o mais tempo possível, a extensão exagerada destes prazos pode conduzir a uma imagem desfavorável. O ideal nestas situações é que o prazo médio de pagamento coincida (ou exceda um pouco) o tempo necessário à transformação das existências em vendas e, na melhor das hipóteses, em dinheiro. Neste caso, os fornecedores financiam as suas existências e as suas vendas a crédito. Uma das comparações mais significativas para este rácio é a do prazo médio de pagamentos do sector. Se o prazo de pagamento da empresa exceder essa referência sectorial, isso pode indicar estrangulamentos de tesouraria ou uma má política de créditos. Assim, se o prazo médio de pagamento for inferior ao das condições padrão oferecidas pelos fornecedores, pode ser um sinal de que a empresa não está a gerir a tesouraria de forma eficiente.

Até breve!

ml-signature_FINAL

CEO da UWU Solutions / Consultor / Docente 

blog@marcoliborio.me

Standard

Deixar uma resposta